Acesse sua conta

Esqueceu a senha?

Ver seu carrinho de compras

Loja

Poetnica_Capa

Nei Lopes teve seus primeiros poemas publicados em jornais na década de 1960 e depois na revista Civilização Brasileira (n. 7, maio de 1966), pela mão do diretor responsável M. Cavalcanti Proença. Na década seguinte, o brasilianista David Brookshaw, então professor da Queen’s University, de Belfast, publicou o texto ‘Quatro poetas negros brasileiros’ na Revista de Estudos Afro-Asiáticos (n. 2, 1978, p. 30-43). Nesse texto, o teórico inglês analisou a produção de Nei Lopes, reunida num volume intitulado ‘Feira Livre’, jamais publicado, comparando-a muito positivamente às de Lino Guedes, Solano Trindade e Eduardo de Oliveira. Entretanto, somente em 1996, Nei Lopes lançou um volume reunindo suas poesias: ‘Incursões sobre a Pele’, publicado pela Artium Editora.

O presente volume, então, compila toda a poesia do autor produzida no período de 1966 a 2013, excluída sua porção cancionista, materializada em mais de três centenas de títulos tornados públicos, desde 1972, nas vozes de importantes intérpretes da música popular brasileira.

CULTURA AFRO, POESIA
Promoção!

Mais detalhes

Dados técnicos

Brochura
Foto [autor]: Bruno Veiga
Revisão: Luís Gustavo Coutinho
Páginas: 192
Dimensões: 230 x 160 x 15mm
Peso: 350g
ISBN: 978-85-65679-21-3

Sobre o autor

Author

Nei Lopes

Por volta dos treze anos de idade, Nei Lopes garatujava – como diz – seus primeiros versos. Na década de 60, na Faculdade de Direito, a faina literária crescia. E, depois, vieram uma menção honrosa do Prêmio Fernando Chinaglia da UBE, em 1970; publicações em jornais e revistas; e a participação na antologia Abertura Poética, organizada por Walmir Ayala, em 1975. Mas aí a música popular já falava mais alto. E o poeta “de papel” – definição sua – perdia espaço para o cancionista profissional e elogiado letrista. Sem que, entretanto, a produção de poemas fosse inteiramente abandonada. Em 1996 veio à luz o volume de poemas Incursões sobre a Pele, que integram este Poétnica, o qual assim contempla quarenta e cinco anos de atividade poética consciente – como Nei Lopes gosta de realçar.